Pedro Cine Fotos
Divinópolis e Região

Estudante da escola Odilon Santiago fatura 1º concurso de poesia da Gerdau

Por: Rádio 94FM 30/06/2017 8:05

A Prefeitura de Divinópolis, através da Secretaria Municipal de Educação – Sala Verde “Frei Paulino” / Parque Dr. Sebastião Gomes Guimarães (Parque da Ilha), em parceria com a empresa Gerdau, promoveu nesta quinta-feira (29/06) a entrega dos prêmios aos vencedores do concurso de poesias. A temática foi “Um Olhar para o Cerrado”, destinado aos alunos do 5º ao 9º ano do ensino fundamental, regularmente matriculados na rede municipal de ensino no ano letivo de 2017.

Participaram do evento os alunos vencedores, pais, direção escolar, professores, representante da empresa parceira Gerdau e a secretária municipal de Educação, Vera Lúcia Prado.

Os quatro alunos vencedores do concurso de poesia “Um Olhar para o Cerrado” receberam bicicletas e medalhas, independente da classificação. Os professores orientadores também receberam medalha de honra ao mérito e uma cesta de produtos de beleza.

“O principal objetivo é estimular a leitura de poesias e a produção textual escrita, os alunos vencedores mostraram que foram muito bem orientados pelos professores. As poesias foram escritas em versos harmoniosos e poéticos, demonstrando ao mesmo tempo conhecimento sobre o tema”, afirmou Prado

Reysla Natália de Oliveira Prata, aluna do 8º ano da Escola Municipal Professor Odilon Santiago, foi a vencedora do 1º Concurso de Poesia “Um Olhar Para o Cerrado”.

Poesia

 

         Vidas Roubadas

Sob o peso da mão humana

a terra nua fez secar nascente

e o sangue que já não possuíra mais nas veias.

Há uma bomba relógio dentro de nós

e nela a necessidade de mudança

para não intoxicarmos mais as veredas.

Em queimadas morrem as chapadas

e transforma-se o cerrado em um celeiro

de domesticação.

O sonho quase acabou!

A falta do verde proporcionou o baque.

Quilombolas jamais transformarão

o cerrado em carvão.

Oh, cerrado nu, bombeia nosso sangue!

Não desdenharemos mais de suas terras aqüíferas.

 

 

Oh, cerrado, amassa o seu destino cruel

Para que sua savana seja

invadida  por ipês

antes  que a mão humana transforme

suas  flores em leite e carne fresca!

Oh, mão humana,

Acorda deste sono profundo, defenda-nos,

para que nossas vidas

ressuscitem de todo esse mal.

Postado originalmente por: 94 FM

%d blogueiros gostam disto: