Anuncie
Vale do Aço

Ano marcou nova fase nos resultados da Usiminas

Por: Diário do Aço 28/12/2017 16:32

No ano em que completou 55 anos de operação, a Usiminas retomou sua trajetória de crescimento. O ano de 2017 marcou uma virada para a empresa que, até o ano passado, ainda sofria as consequências das duras crises no mercado do aço e na economia brasileira, que quase levaram a companhia a uma situação de liquidação judicial, e que já dá sustentação para a expectativa de um 2018 de recuperação ainda mais sólida. O balanço a seguir foi publicado pela assessoria de Comunicação da empresa.

Conforme o texto, a Usiminas concentra cerca de 85% de suas vendas no mercado interno e, além da quase completa paralisação de setores fundamentais para o negócio, como o de infraestrutura e da construção civil, assistiu também as vendas internas do setor automotivo despencarem no passado recente. A partir deste ano, porém, o consumo de veículos no país se recuperou e cresce a um ritmo da ordem de 7%. As estimativas do setor indicam que o consumo geral de aços planos no país crescerá, em 2018, entre 5% e 10%.

A empresa deve divulgar seus resultados financeiros consolidados do ano no próximo mês de fevereiro, mas os indicadores têm se mostrado animadores. Até o momento, o Ebtida Acumulado da Usiminas nos doze meses anteriores a 30 de setembro passado atingiu os mesmos patamares de 2013 e 2014, período anterior à severa crise que marcou os anos 2015 e 2016 na companhia. Segundo Sergio Leite, presidente da Usiminas, o ano que muitos querem esquecer, a Usiminas quer lembrar. “Foi um ano que marcou um processo consistente de retomada dos resultados e que, pela primeira vez nos exercícios recentes, nos permitiu planejar de fato o ano seguinte”, afirma.

Para acompanhar as perspectivas positivas, a empresa prepara o religamento do alto-forno 1 da Usina de Ipatinga. O equipamento estava parado desde 2015, em razão da baixa demanda, e voltará a operar no próximo mês de abril, somando 2 mil toneladas diárias à produção de ferro gusa da Usina e reduzindo a eventual necessidade de compra de placas de terceiros. Este ano, a Mineração Usiminas já havia retomado duas plantas paralisadas em razão da crise. Duas unidades de tratamento de minério – flotação e mina leste – voltaram a operar, gerando cerca de 400 novos empregos na operação da empresa em Itatiaiuçu (MG).

A retomada dos resultados da Usiminas também refletiu rapidamente no mercado financeiro. As ações da empresa estão entre as mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo, e acumulam valorização recorde de 121,9% ao longo do ano. Os papéis seguem entre as indicações de corretoras e analistas de mercado para os próximos meses. A confiança dos investidores foi reforçada, ainda, pelo aumento do rating da companhia pelas principais agências internacionais.

Recomendação

Em setembro, a Standard & Poors elevou a nota de crédito da Usiminas de CCC+ para B-, destacando pontos como recuperação de preços e demanda, reestruturação da dívida e liquidez. Em outubro, foi a vez da Fitch, uma das três maiores do mercado global, anunciar a elevação da nota da empresa de CCC para B, uma melhora significativa no perfil de crédito da companhia.

Em dezembro, a companhia deu um novo passo em sua recuperação financeira e realizou a primeira amortização de sua dívida, no valor de US$ 90 milhões. O pagamento ocorre com cerca de dois anos de antecedência em relação ao prazo acertado na negociação realizada junto a credores brasileiros e internacionais. Em janeiro, a empresa realizará novo pagamento, relativo a bonds, no valor de US$ 180 milhões, resgatando o total das notas.

PLR

Os empregados também foram beneficiados pelo novo momento. Além de revitalizar e lançar diversas ações de melhoria de clima organizacional, a Usiminas anunciou a retomada do pagamento de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) com um adiantamento dos valores no início de dezembro. O montante antecipado foi fixado em 30% do salário e o restante deve ser pago, segundo os critérios estabelecidos junto aos empregados, no primeiro trimestre de 2018. Além disso, a empresa concluiu o primeiro de três anos do Programa Trilha da Liderança, em parceria com a Fundação Dom Cabral, que visa preparar os seus 388 líderes para o futuro da organização. “Pessoas é um dos pilares da gestão da empresa, juntamente com clientes e resultados. Em 2018, seguiremos com as iniciativas de valorização dos nossos colaboradores e de melhoria de clima interno, para fortalecermos, ainda mais, nossa identidade e o orgulho em fazer parte da Usiminas”, conta Leite.

Produtos

Uma das estratégias da Usiminas para vencer o período crítico foi o desenvolvimento de novos produtos, com alto valor agregado, e com características especiais para atendimento aos mais diversos nichos do mercado. De olho no mercado agrícola, um dos principais impulsionadores da economia nacional, a siderúrgica lançou um aço específico para a construção de silos. O produto – galvanizado por imersão a quente, o que evita a contaminação dos grãos – é disponibilizado em uma ampla faixa de espessuras e tem alta resistência mecânica. Até o lançamento do novo aço, os produtores brasileiros só encontravam produto semelhante no exterior.

Outra inovação é o Usigalv Esq, destinado à fabricação de esquadrias (portas e janelas). O produto tem alta resistência à corrosão atmosférica e mantém a segurança e qualidade esperada do aço, mesmo com menor espessura e peso. A tecnologia é a mesma adotada na matéria-prima fornecida à indústria automobilística, conhecida pela vanguarda no desenvolvimento tecnológico. As diferentes composições e espessuras presentes na linha permitem aos fabricantes maior flexibilidade para criação de peças mais leves e mais resistentes.

E, para a indústria automotiva, que segue como principal cliente da Usiminas, a novidade de 2017 foi o Dual Phase 980 HE. O aço é diferenciado por sua alta resistência e características especiais de estiramento de borda e capacidade de flangeamento. O DP 980, homologado pela Aisin, fabricante japonesa de componentes automotivos no Brasil no último mês de julho, deve estar presente em veículos no trilho de fixação dos bancos, componente fundamental para a segurança das pessoas.

“Reconhecimentos são novos avanços em parcerias longevas”

Além do reforço nas vendas, o esforço de inovação da Usiminas também rendeu prêmios importantes para a empresa ao longo de 2017. A companhia foi premiada por importantes players do setor automotivo como Mercedes Benz, Honda (motos e automóveis) e Fiat Chrysler Automobiles (FCA). “Os reconhecimentos são novos avanços em parcerias longevas que mantemos com o setor e indicativos do sucesso do trabalho próximo, conectado às necessidades de cada cliente que estamos realizando”, avalia Sergio Leite.

Outras premiações importantes vieram de um dos principais programas socioambientais desenvolvidos pela Usiminas, o Caminhos do Vale. A iniciativa destina o agregado siderúrgico – coproduto gerado na fabricação do aço – para a recuperação de estradas rurais no Colar Metropolitano do Vale do Aço, e tem como contrapartida a recuperação de nascentes.

Em 2017, o programa passou a integrar o Banco de Boas Práticas Ambientais da Indústria de Minas Gerais. A iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) e da Fundação Estadual do Meio Ambiente (FEAM) incentiva e divulga o desenvolvimento de projetos voltados para a ecoeficiência dos processos produtivos, com uso menos intensivo de recursos naturais e menor degradação ambiental.

O Caminhos do Vale também foi reconhecido como “Excelência em Sustentabilidade” pela World Steel, entidade que reúne as principais siderúrgicas mundiais, no congresso anual realizado na Bélgica.



Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br