Anuncie
Vale do Aço

Cebus alerta sobre o aparecimento de cobras em áreas urbanas do vale do aço

Por: Diário do Aço 28/03/2018 10:32
Marcele Pena

A maioria das cobras que aparecem na região do Vale do Aço são não-peçonhentas

Parte da população do Vale do Aço tem se queixado sobre o aparecimento de cobras nas áreas urbanas, como nas vias públicas e até mesmo próximo às casas. Para isto, o Centro de Biodiversidade da Usipa (Cebus) orienta a população para que não haja danos aos moradores e à fauna da região do Vale do Aço.

Esta é a época do ano durante a qual mais ocorrem acidentes causados por cobras. Como as cobras são animais que têm a temperatura do corpo controlada pela temperatura ambiente (animal pecilotérmico), em períodos quentes, estão mais ativos. Já em períodos mais frios, os animais são menos ativos.

Mas, segundo a bióloga do Cebus, Cláudia Diniz, este não é o único fator que determina o aparecimento desses animais na área urbana. “As principais questões que devem ser estudadas para entendermos o aparecimento desses animais na área urbana são a abundância de alimentação e local para abrigo”, pontua Cláudia.

Espécies frequentes na região

De acordo com a bióloga, a maioria das cobras que aparecem na região do Vale do Aço são não-peçonhentas, ou seja, não têm órgão inoculador de veneno, como a boipeva e a dormideira. Porém, há ocorrências de espécies peçonhentas como a jararaca, a jararacuçu e a surucucu-pico-de-jaca.

“Geralmente, as cobras que têm comportamento mais agressivo, que tendem a correr atrás das pessoas, são as caninanas e as boipevas, que não são peçonhentas. Elas não possuem os dentes que inoculam o veneno, as chamadas ‘peçonhas’. Já as cobras venenosas, habitualmente, são muito discretas e calmas”, explica.

Como agir ao encontrar uma cobra

Se a cobra estiver em um local fechado, como no interior de residências, em cima de uma cama ou num banheiro, basta chamar a Polícia de Meio Ambiente (31 3801-1850) ou os bombeiros (193) para fazer o recolhimento do animal. Se a cobra estiver próxima à área verde, afaste-se do animal e observe se ele vai retornar ao habitat natural.

“Caso as encontre, mantenha a calma. Se a cobra estiver em movimento, afaste-se dela e lembre-se de que o animal é menos veloz que um ser humano e não tem capacidade para alcançá-lo. O importante é não tentar capturar o animal, pois mesmo o não-peçonhento pode atacar o ser humano na tentativa de se defender”, alerta a bióloga do Cebus.

Prevenção e primeiros socorros

Para evitar acidentes dentro de casa e com seus animais domésticos, é importante lembrar-se de alguns pontos. As cobras gostam de se esconder. Evite o acúmulo de lixo, entulho, entre outros, que são bons esconderijos para elas. Em chácaras, o ideal é manter o terreno limpo e o mato cortado.

Lixo acumulado também atrai roedores e esses pequenos animais são o principal alimento das cobras. Ao deixar áreas limpas, livres de lixo e entulho, o cidadão evita a presença de ratos e, consequentemente, de cobras.

Se ainda assim houver um acidente com uma cobra, mantenha a calma, peça ajuda e ligue para o SAMU imediatamente. Se a vítima ficar nervosa e sair correndo, o fluxo sanguíneo irá acelerar e espalhará o veneno para outras partes do corpo, agravando o caso. Nunca coloque substâncias evasivas ou estranhas, não tampe, nem faça torniquetes no local. O veneno da cobra pode ser fatal e exige ação rápida.

Seguindo corretamente estas informações e estes cuidados, você poderá manter o bem-estar e a qualidade de vida dos seus animais e de sua família.



Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br