28 Congresso
Vale do Aço

Dia Internacional da Pessoa com Deficiência abre discussão sobre os desafios da acessibilidade

Por: Diário do Aço 02/12/2017 13:32
Divulgação

A data sempre promove uma reflexão em diversos espaços da sociedade sobre as questões da acessibilidade

Neste domingo, 3 de dezembro, é celebrado o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1992. A data sempre promove uma reflexão em diversos espaços da sociedade sobre as questões da acessibilidade.

Em entrevista ao Diário do Aço, Eustáquio José de Oliveira, o Eustáquio da Acessibilidade, destacou os desafios que devem ser superados para melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiência. Eustáquio é cadeirante e atua frente as reivindicações de inclusão desta parcela da sociedade.

Mudança Cultural

O primeiro ponto ressaltado por Eustáquio é a necessidade de mudança cultural e sensibilização para propiciar o fortalecimento de uma sociedade inclusiva igualitária. Com esta mudança, as barreiras atitudinais, arquitetônicas e de informação serão minimizadas.

“O maior desafio, sem dúvida, é a mudança cultural nas pessoas. Quando houver a preocupação dessas pessoas aí sim haverá as demais mudanças necessárias para que as pessoas com deficiência exerça plenamente seus direitos”, destaca Eustáquio.

Arquitetura

Um dos exemplos dado pelo entrevistado foi a questão dos espaços adaptados. Cada tipo de deficiência irá exigir alterações nos ambientes para todos possam circular de maneira independente e segura.

“Imagine você em uma cadeira de rodas. Você conseguiria utilizar o banheiro da sua casa ou apartamento para fazer as suas necessidades básicas? Esta é uma grande barreira, falta espaços planejados para atender a mobilidade das pessoas com deficiência”, avalia Eustáquio.

Comunicação

Alex Ferreira

O cadeirante Eustáquio José de Oliveira defende as causas das pessoas com deficiência em Ipatinga e região

Outro gargalo na acessibilidade é a comunicação, em diferentes meios. O entrevistado deu exemplos do cotidiano de pessoas cegas e de pessoas surdas, que possuem limitações diferentes neste ponto.

“Uma pessoa cega tem dificuldade de ir a restaurantes, por exemplo, maior parte dos estabelecimentos não oferecem cardápio em braile. Como esta pessoa irá realizar sua escolha do prato e fazer seu pedido? Outra situação é da pessoa surda, imagine um surdo no médico, como ele irá comunicar sobre seu estado de saúde se o médico não sabe interpretar a língua de sinais ou se local não disponibiliza um intérprete? Assim, são em diversas outras situações diárias destas pessoas”, destaca.

Políticas Públicas

Outro ponto de relevância é o fomento e aplicação das políticas públicas já existentes. Para Eustáquio, elas não são de responsabilidade apenas dos agentes políticos, e sim de toda a sociedade.

“Não é só o gestor que deve preocupar com estas políticas. É o morador que deve preocupar com a calçada de sua casa. O comerciante com o atendimento adequado aos clientes. Existem muitas leis que garantem estes direitos, elas devem ser cumpridas”, afirma Eustáquio.

Neste domingo (3), será promovida, na Associação dos Surdos de Ipatinga (Rua Berilo, bairro Iguaçu), a posse simbólica de Eustáquio como membro da Coordenadoria Especial de Apoio e Assistência à Pessoa com Deficiência de Minas Gerais (CAADE/MG) com a Presença do Secretário de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, Nilmário Miranda. O evento é aberto a todos os interessados, às 9h.



Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br