Encontro
Vale do Aço

Ex-ministro da Fazenda esclarece sobre cenário econômico atual

Por: Diário do Aço 05/12/2017 18:32
Wôlmer Ezequiel

Em palestra, em Ipatinga, Maílson da Nóbrega reafirmou que compensa mais investir em Tesouro Direto do que na caderneta de poupança

Em passagem por Ipatinga esta semana, onde fez palestra para empresários, o ministro da Fazenda no Governo de José Sarney, Maílson da Nóbrega, participou do Fórum Regional Vale do Aço. Antes, em entrevista ao Diário do Aço, abordou outros temas relacionados à economia. Entre esses assuntos, estão a reforma da Previdência, causas e consequências da crise econômica no Brasil, Bitcoin e investimentos no Tesouro Direito.

Reforma da Previdência
Para o ex-ministro da Fazenda, a reforma da Previdência, que é a implementação de medidas que alteram a legislação previdenciária do país, contribuirá para o desenvolvimento do Brasil, caso seja aprovada pelo Congresso. “Com a reforma da Previdência, o mercado financeiro irá ficar mais aquecido, a Bolsa de Valores vai para 80 mil pontos, a taxa de câmbio pode até baixar um pouco, com o dólar saindo dos R$ 3, e o Banco Central mantém sua trajetória com a queda da taxa de juros. No entanto, se a reforma não passar, acho que o Brasil pode entrar em um momento de crise muito sério”, pontua.

Motivo da crise
Para Maílson da Nóbrega, a situação econômica que o país enfrenta ao longo dos últimos anos foi “fabricada durante o governo do PT”, que fez uma má gestão. “Pela primeira vez, o Brasil tem uma crise que não decorre de uma crise cambial ou uma quebra de bancos, mas, exclusivamente, de erros de governo do PT. Não foi por causa de nenhum fator externo, ou seja, não foi uma crise da Europa ou da Ásia, mas sim por falta de competência”, reitera.

Bitcoin
Em meados de 2008, uma moeda digital surgiu no mercado financeiro, conhecida como Bitcoin. Nesses últimos anos, sua valorização atraiu muitos investidores. Conforme o ex-ministro, essa moeda é uma grande incógnita, ainda mais quando se se trata da área de tecnologia virtual, onde não é possível afirmar nada como certo e fixo. “Ninguém tem uma resposta para isso, o Bitcoin é uma moeda baseada no processo de blockchain, que é um método seguro. Em algum momento, irá virar uma moeda relevante, mas nenhum país ou nenhum banco central tem segurança em dizer o que pode ocorrer. Uma coisa que podemos falar é que é muito difícil de aceitar uma moeda que não tenha por trás um banco central ou um governo”, justifica Maílson da Nóbrega.

Segundo o ex-ministro, é muito cedo para saber se essa moeda mundial, emitida por computadores, terá êxito, mas é possível afirmar que ela já é uma realidade. “O Bitcoin já passou a valer mais de dez mil dólares, uma prova de que existe uma demanda muito grande, mas, por outro lado, vai ficando claro que pode ser a moeda do tráfico ou do crime, porque não tem como identificar sua origem”, destaca.

Tesouro Direto
O Tesouro Direto é um Programa do Tesouro Nacional desenvolvido em parceria com a BM&F Bovespa para venda de títulos públicos federais para pessoas físicas, por meio da internet. De acordo com o ex-ministro, atualmente, o investimento em Tesouro Direto compensa mais do que em poupança, por ser mais rentável e mais seguro, pois os títulos públicos são 100% garantidos pelo Tesouro Nacional. “Para o investidor pessoa física, que não tem milhões na conta, eu acho que é um dos grandes investimentos. Tem a segurança de 100% de pagamento e uma rentabilidade razoável. Então, hoje vale mais a pena investir no Tesouro Direto do que na poupança, mas daqui a pouco não vai valer, porque a caderneta de poupança vai emparelhar com ele, aí será apenas uma questão de segurança, mesmo”, afirma.



Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br