28 Congresso
Divinópolis e Região

Maus tratos. Mais uma clínica de recuperação é fechada em Divinópolis

Por: Portal MPA 23/08/2017 20:00

Força-tarefa liderada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) com participação da Secretaria Anti-Drogas, do Conselho Tutelar, do Conselho Municipal Antidrogas e da Polícia Militar fecharam outra clínica de recuperação de dependentes químicos nas proximidades do Aeroporto Brigadeiro Cabral. Fiscais da Diretoria de Vigilância em Saúde encerraram as atividades da comunidade terapêutica feminina após constatarem irregularidades. Além de maus-tratos, havia presença de uma menor grávida sem consulta pré-natal e uma paciente com esquizofrenia entre as internas.

A operação foi realizada na terça-feira (22/08). Com objetivo de verificar as condições dos internos, fiscais da Vigilância visitaram a clínica feminina com oito internas e confirmaram que nenhuma residia em Divinópolis.

Duas menores de idade foram encontradas na comunidade terapêutica. Uma delas estava grávida sem consulta pré-natal, e outra estava na unidade internada mantida por outro município.

Uma interna contou sobre a morte de companheira e relatou castigos aplicados por monitores da clínica.

A Vigilância em Saúde encontrou uma paciente da saúde mental, que estava em crise e sem assistência de psiquiatra no momento.  A paciente, de acordo com os fiscais da Vigilância, estava desorganizada, e o psiquiatra da clínica foi solicitado; os responsáveis pela unidade, porém, não encontraram o profissional para atender a mulher.

A paciente com quadro de esquizofrenia foi encaminhada ao Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD) de Divinópolis. O Conselho Tutelar encaminhou as duas menores de idade aos respectivos familiares. Já as outras internas ficaram na unidade aguardando os parentes.

Continua

A Vigilância em Saúde faz alerta: os fiscais fecharão clínicas com internos involuntários, maus-tratos e castigos.

Em 2 de agosto, uma clínica de recuperação de dependentes químicos foi interditada por maus-tratos e falta de licença da vigilância sanitária. A recomendação de fiscalização partiu do Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) à Vigilância Sanitária.

Postado originalmente por: Portal MPA

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: