Agentes da Segurança Pública que atuarão na Copa América recebem capacitação para enfrentamento ao terrorismo

Promovido pela Secretaria de Estado de Segurança Pública, treinamento busca habilitar profissionais para atuação em caso de ataques terroristas; Belo Horizonte é uma das cidades sede do torneio, que tem início em junho

Cerca de 100 profissionais do sistema de Segurança Pública de Minas Gerais que atuarão na Copa América participaram, na manhã desta terça-feira (14/5), do treinamento “O enfrentamento do terrorismo no Brasil”. Realizada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), por meio da Subsecretaria de Integração e da Coordenadoria de Inteligência, em parceria com a Polícia Federal, a capacitação tem como objetivo preparar os agentes que estarão envolvidos com a segurança pública durante o torneio para detectar comportamentos estranhos e saber agir em casos de ataques, atividades suspeitas ou demais ações que possam culminar em atos de terrorismo.

Belo Horizonte é uma das cinco cidades escolhidas para sediar a Copa América de 2019, que tem início em junho. O curso “O enfrentamento do terrorismo no Brasil” foi realizado no auditório da Academia do Corpo de Bombeiros Militar, e contou com representantes da Sesp, Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Infraero, Polícia Federal, Defesa Civil, Prefeitura de Belo Horizonte, Guarda Municipal e funcionários de hotéis da capital que receberão as delegações.

“O terrorismo pode ocorrer em qualquer lugar. Durante a Copa América, o Brasil será a porta de entrada para várias pessoas de diversos países. Precisamos estar preparados. Nossa intenção é garantir a segurança para a população mineira e para todos os que vierem nos visitar”, explicou o coordenador de Integração de Inteligência da Sesp, Coronel Mauro Gripp.

Palestrante do evento, o agente da Polícia Federal Guilherme Damasceno abordou em sua fala as tendências e os cuidados que devem ser tomados pelos profissionais, os indicadores pré-incidentes de atividades de terrorismo, incluindo aquisição de materiais e vigilância de um determinado lugar, as estratégias de enfrentamento, o uso da internet pelos grupos terroristas, a utilização de táticas terroristas por detentos, entre outros. “Os países que participarão da Copa América não possuem histórico de terrorismo, mas não podemos achar que somos imunes. Como servidores pagos para defender o Estado, não podemos baixar a guarda”, ressaltou.

O agente da PF abordou ainda a importância da participação da sociedade civil no enfrentamento dessa modalidade criminosa. “Cerca de 70 a 80% dos ataques que ocorreriam mundo afora não chegaram a acontecer devido à participação da população, por meio de denúncias anônimas ou da notificação de uma atividade suspeita para um policial”, detalhou. “Em Minas Gerais, temos o Disque Denúncia 181, que precisa ser amplamente utilizado pela sociedade”.

Lara Nassif
Lara Nassif

Damasceno ponderou ainda que o Brasil é uma das principais portas de entrada do continente americano e destino de um fluxo importante de imigrantes, oriundos da Europa, África, Ásia e Oriente Médio. “Grande parte deles pede refúgio ao chegar ao país”, lembrou. Ao final de sua palestra, o agente da PF respondeu perguntas feitas pelos participantes.

 

Por Portal Sete

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: