Sindicatos temem precarização do trabalho com a terceirização

A aprovação do texto-base do projeto de lei que autoriza o trabalho terceirizado para qualquer tipo de atividade pela Câmara dos Deputados está sendo duramente rechaçada por entidades representantes de trabalhadores em Juiz de Fora. A proposta, que segue para sanção do presidente Michel Temer, é vista como danosa pelos sindicatos. A CUT Regional Zona da Mata agendou passeata para o dia 28. De acordo com o presidente da CUT Regional e do Sindicato dos Bancários (Sintraf/JF), Watoira Antônio, a terceirização é um retrocesso, que coloca em xeque direitos conquistados com muita luta.

“Será muito prejudicial, tanto para os bancários, quanto para toda a classe trabalhadora. Sabemos que tem mais de dois mil projetos a serem aprovados, e todos contra o trabalhador”, pontua, acrescentando que a mídia, de forma geral, precisa esclarecer de fato os trabalhadores sobre os impactos da lei. “No caso dos bancários, estamos fazendo vários seminários para mostrar o quanto isso é prejudicial e esperamos, com resistência nas ruas, que o presidente Temer não assine o projeto.”

A fragilização dos sindicatos é outra faceta da terceirização, conforme as considerações do presidente do Sindicato dos Servidores Públicos (Sinserpu-JF), Amarildo Romanazzi. “Ela permite uma negociação direta entre patrão e empregado, tirando o sindicato da discussão. É uma lei totalmente patronal, destruindo a força sindical e a resistência do trabalhador, rasgando a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas)”. O sindicalista ainda alerta que, com o tamanho do desemprego hoje, um funcionário antigo de uma empresa ver-se-á obrigado, em função do sustento de sua família, a assinar um contrato de prestação de serviço.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Juiz de Fora e Região, João César da Silva, diz que haverá precarização das condições de trabalho. “Esse projeto marca o fim do trabalho digno no Brasil. O que existe hoje em termos de terceirização é horrível. No nosso setor, tem muitos trabalhadores terceirizados que trabalham em condições penosas. Eles não têm as mínimas garantias. Temos o histórico aqui de uma terceirizada que não paga os salários. Além disso, lidamos com uma grande empresa que todos os meses atrasa o pagamento, não deposita INSS e Fundo de Garantia, ou seja, não cumpre nada da legislação”, revela João César.

 

Postado originalmente por: Tribuna de Minas – Juiz de Fora / MG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: