Ipatinga retoma Olicei depois de 28 anos

Secom/PMI

Chegada do Fogo Olímpico ao Campo do Itamarati

Depois de 28 anos, a administração municipal de Ipatinga retomou nesta sexta-feira (24) um de seus eventos mais empolgantes e tradicionais, que marcou época nos anos 1980, mobilizando milhares de pessoas. O prefeito Nardyello Rocha reservou a sua agenda diária para motivar a comunidade escolar e toda a população em torno da edição 2018 da Olimpíada Cultural e Esportiva de Ipatinga (Olicei), declarada oficialmente aberta com o acendimento da pira olímpica e desfile de dezenas de delegações, no Ipatingão.

Logo no início da manhã, na companhia dos secretários municipais de Educação e de Cultura, Esporte e Lazer, Eva Sônia e Carlos de Oliveira, respectivamente, o prefeito foi à comunidade do Ipaneminha, na zona rural, para dar a largada na programação inaugural do evento em grande estilo. Lá a Olimpíada ganhou sinal verde com números de viola caipira executados pela dupla Hyuri Luna e Álvaro Gabriel, apresentações culturais de crianças da Escola Municipal Mário Casasanta – o mais antigo estabelecimento cultural de Ipatinga, criado em 1949 – e exibição do congado mirim, com direito à cadência de tambores e o caminhar de garotos com a estatura duplicada em pernas-de-pau.

Ainda no Ipaneminha, público e autoridades puderam começar a interagir com a mascote oficial da Olicei, uma jaguatirica (ou gato-do-mato) batizada com o nome de Júnio, coberta com paramentos e adereços do congado. Lá estava também a garotinha Verônica Maier Silva de Jesus, de nove anos, estudante do 4º ano do Ensino Fundamental I na E. M. Mário Cassassanta, festejada com honras por sua criatividade.

Divulgação

Diante da capela do Ipaneminha, o prefeito Nardyello Rocha faz o acendimento do fogo olímpico

Ela venceu, no mês de maio, o concurso para definição da mascote da Olimpíada, uma competição da qual participaram ideias lançadas por mais de 9.000 alunos da rede municipal de ensino. “Minha inspiração para criar o desenho foram histórias contadas por meus pais, sobre esse felino que já foi visto várias vezes nesta região”, contou a garota, filha de um casal originário do Ipanemão, Francisley e Renata Maria, empregados como caseiros num sítio próximo.

Para anunciar a chegada da mascote à solenidade, Verônica badalou o sino da Igreja São Vicente de Paula, a tradicional capela do lugar e um dos patrimônios históricos do município, edificada no ano de 1959.

Antes do ritual de acendimento do fogo olímpico, que também aconteceu na zona rural, o prefeito destacou a importância simbólica de iniciar a programação da Olicei pelo Ipaneminha, afirmando ser “necessário cuidar de forma especial da preservação das nossas raízes”. Ele disse ver a Olimpíada “não apenas como um canal de difusão do esporte, de saúde e entretenimento, mas também de socialização”, anunciando ainda que pretende retomar outro evento memorável da cidade, a Feira da Paz.

Prova de resistência

Do Ipaneminha, com a mascote, o fogo olímpico foi transportado numa viatura do Corpo de Bombeiros até o campo do Itamarati, no bairro Bethânia, onde se cumpriu o segundo estágio de abertura da Olimpíada. Ao som de números executados pela banda da E. M. Cantar/Escola de Música e Canto Tenente Osvaldo Machado (TOM), o prefeito Nardyello Rocha realizou às 11h55 o acendimento da tocha olímpica e, então, surpreendeu a todos ao iniciar uma grande prova de resistência: ele não se limitou a dar uma única volta com a tocha em torno do campo do Itamarati, como estava previsto no cerimonial.

Wôlmer Ezequiel

Estudantes participam do revezamento na corrida com a tocha pelo bairro Canaã

Decidiu cumprir inteiramente o percurso definido para o transporte do símbolo olímpico até o estádio Ipatingão – com passagens pelos bairros Canaã, Cidade Nobre, Iguaçu, Centro e Veneza –, e o ato foi acompanhado ainda pela esposa Aline Franco. Saindo da avenida Selim José de Sales, o casal seguiu avançando por todos os pontos de revezamento estabelecidos (onde atletas e várias figuras representativas da cidade aguardavam postados para receber a tocha) e percorreu em pouco mais de duas horas, com apoio de batedores da Polícia Militar, uma distância total de 12 quilômetros até o Parque Ipanema.

Desfile de delegações e pira olímpica

A última etapa da programação de abertura da Olicei 2018 teve como ponto alto o desfile das delegações, no estádio Ipatingão. A cerimônia, iniciada às 15h, prosseguiu até o final da tarde, em clima de muita empolgação. As comitivas das escolas entraram pelo túnel central do estádio e, à medida que iam se apresentando, posicionavam-se enfileiradas no gramado, junto ao palco das autoridades, para depois seguirem para as arquibancadas. A aluna criadora da mascote Júnio, Verônica Maier Silva de Jesus, voltou a merecer distinção especial, ao acompanhar o prefeito Nardyello Rocha e o presidente da Câmara Municipal, Jadson Heleno, no ritual de acendimento da pira olímpica.

36 escolas terão participação na disputa

Todas as escolas de Ipatinga foram convidadas e 36 delas confirmaram participação na Olicei 2018. São 17 estabelecimentos municipais, 16 estaduais e três particulares.

Vão competir na Olimpíada Cultural e Esportiva de Ipatinga (Olicei), representando o ensino privado, os colégios John Wesley e Tiradentes e a Escola Educação Criativa. As escolas estaduais são Canuta Rosa de Oliveira, Dom Helvécio, Caetana América de Menezes, Dr. Ovídio de Andrade, Engenheiro Amaro Lanari, Engenheiro Márcio Aguiar da Cunha, Geraldo Gomes Ribeiro, Haydee Imaculada Schittini, João XXIII, Laura Xavier Santana, Manoela Soares Bicalho, Nacif Selim de Sales, Nilza Luzia de Souza Butta, Professora Elza Oliveira Lage, Professora Maria Antonieta, Professora Maria da Conceição Pena Rocha e Wilson Alvarenga.

As escolas municipais são Altina Olívia Gonçalves, Artur Bernardes, Carlos Drummond de Andrade, Chirlene Cristina Pereira, Deolinda Tavares Lamego, Everson Magalhães Lage, João Reis de Souza, Levindo Mariano, Márcio Andrade Guerra, Nelcina Rosa de Jesus, Padre Bertollo, Padre Cícero de Castro, Professor Evaldo Fontes, Terezinha Nívia, Vilma de Faria Silva e Zélia Duarte Passos.

São quatro escolas do Bom Jardim, quatro do Bethânia, três do bairro Cidade Nobre, duas do Veneza, duas do Centro, duas do Ideal, duas do Limoeiro, duas do Iguaçu e duas do Canaã. Os bairros Canaãzinho, Areal, Caçula, Imbaúbas, Barra Alegre, Bom Retiro, Horto, Esperança, Nova Esperança, Vila Celeste, Caravelas, Chácaras Madalena e Chácaras Oliveira também estão representados na Olimpíada com uma escola cada.


Encontrou um erro? Comunique: [email protected]

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: