Os planos de Nardyello Rocha para Ipatinga

Divulgação

Nardyello rocha é candidato pela Coligação Unidos por Ipatinga, que reúne 14 partidos

O Diário do Aço publica nessa edição a terceira da série de entrevistas com os candidatos da eleição extemporânea à Prefeitura de Ipatinga. Pela ordem alfabética dos nomes, hoje o entrevistado é Nardyello Rocha (MDB), que cita, entre seus objetivos, restabelecer estabilidade política para o município como forma de viabilizar demandas que se acumulam.

DIÁRIO DO AÇO – O que o senhor considera como a sua principal experiência administrativa que o capacita para apresentar-se como candidato a prefeito de Ipatinga?

NARDYELLO ROCHA – Além da minha experiência profissional na iniciativa privada, onde comecei como borracheiro, bancário, ajudante de mecânica na Sankyu e supervisor do departamento de aciaria da Usiminas, durante 25 anos, tenho quatro mandatos como vereador e quatro como presidente da Câmara. Sou Gestor Público por graduação universitária. Sob minha gestão, a Câmara de Ipatinga conquistou a ISO 9001 e a ISO 14001, sendo a única no estado com estas certificações internacionais. Sou o vereador recordista de proposições aprovadas na Câmara de Ipatinga, com 213 Projetos de Lei e 40 Projetos de Resolução, todos pautados pela ética, o equilíbrio e voltados para o bem-estar da coletividade. Conheço essa cidade como poucos. Quero ser um dos melhores prefeitos que Ipatinga já teve. Nossa vitória será a garantia da volta da tão necessária estabilidade política para o município. Somente com esta estabilidade conseguiremos criar um cenário de confiança e segurança para que os empreendedores façam seus investimentos aqui, gerando emprego e renda. Estou pronto para encarar o desafio de administrar Ipatinga neste momento de grandes dificuldades. Prefeito, qualquer canto de roça tem. Quero ser o grande gestor desta cidade.

DIÁRIO DO AÇO– Na área financeira, como pretende lidar com demandas urgentes, como o pagamento da complementação dos inativos do serviço municipal (os atrasados e as complementações mensais futuras) e, ao mesmo tempo, assegurar o atendimento das necessidades da população nas áreas da saúde, educação, obras, assistência social e serviços urbanos?

NARDYELLO ROCHA – A retomada do pagamento da complementação dos aposentados é uma questão já definida. Dependíamos da publicação do acórdão, que já ocorreu. A volta dos aposentados para a folha está garantida. No fim deste mês receberão seus vencimentos com a complementação. Sobre os atrasados, chamaremos todos à mesa, servidores, sindicatos e os secretários municipais para discutir, com muita responsabilidade, quando e como poderemos fazer o pagamento. Eu não vou vender sonhos falando que pagaremos os atrasados de imediato. Precisamos pagar, mas tem que ser dentro da capacidade financeira do município, sem comprometer o funcionamento de áreas essenciais da administração municipal, como a saúde, a educação, a limpeza urbana, entre outras. Como me é peculiar, toda esta discussão será muito transparente e verdadeira. Não podemos “jogar para a galera”. Temos que buscar uma forma exequível de pagar os atrasados. Vamos priorizar sempre o pagamento de quem tem CPF, ou seja, de gente que tem conta de luz, água e outros compromissos para pagar. Depois vamos fazer um choque de gestão para viabilizar as demais demandas. Trabalhar com cofre cheio é fácil, mas vamos fazer uma gestão com o que temos hoje.

DIÁRIO DO AÇO– No seu entendimento, qual seria a obra estruturante (ou conjunto de obras) que mais faz falta ao município na atualidade, e se a sua gestão teria como de fato viabilizá-la, sem ser somente uma promessa de campanha?

NARDYELLO ROCHA – Temos em andamento um grande projeto de mobilidade urbana para Ipatinga. Já garantimos recursos da ordem de 53 milhões de reais para a sua execução. É um projeto muito bacana que irá adequar nossa cidade aos mais modernos conceitos de mobilidade urbana. Precisamos e vamos fazer a tão aguardada e necessária revitalização do centro de Ipatinga, uma obra que dará uma nova vida à área central da cidade. Outra demanda urgente é o recapeamento asfáltico de nossas ruas e avenidas. Nosso asfalto tem mais de 40 anos de vida e está em situação precária. Por meio de um convênio já assinado com o BDMG, conseguimos 32 milhões de reais que nos permitirão recapear mais de 70% da malha viária municipal. Uma obra necessária e de vital importância para Ipatinga. Vamos ampliar as UBS nos bairros, modernizando-as, gerando condições de humanizar o atendimento e de receber os “Corujões da Saúde”. Com isso, desafogamos o maior gargalo que temos hoje na área que é o atendimento na UPA. Outra importante obra estruturante será a construção da nova rodoviária, próximo à estação ferroviária, por meio de uma Parceria Público Privada (PPP). Será um terminal de interligação, muito moderno. O estudo técnico já está pronto. Falta apenas a licitação.

DIÁRIO DO AÇO – Pontualmente, na área do esporte e do lazer, o que prevê a sua proposta de gestão?

NARDYELLO ROCHA – Iremos fortalecer o Programa Esporte e Lazer da Cidade (PELC), o Programa 2º Tempo, Seleções do Futuro – para o qual já conseguimos uma verba substancial junto ao Ministério dos Esportes, e o programa Brincando com o Esporte. Iremos firmar parcerias com as instituições de ensino do Município para desenvolvimento de projetos voltados a oficinas e práticas de esportes nos espaços públicos (escolas, praças, parques e outros locais públicos), com o objetivo de ofertar o acesso às crianças, jovens e adolescentes a prática de esportes. Já estamos trabalhando na construção de uma parceria com o governo estadual para a implantação do Programa Minas Esportiva Incentivo ao Esporte. Não vamos esquecer da terceira idade, pois temos a convicção de que investir neste segmento é economizar até mesmo na saúde e proporcionar melhor qualidade de vida para este público. Iremos colocar o Ipatingão de novo na rota dos grandes clássicos do futebol brasileiro, gerando mais oportunidade de emprego e renda. Vamos também formatar uma PPP para transformar o estádio municipal em uma Arena Multiuso. Queremos fazer a roda motriz da economia voltar a girar. Precisamos inovar, sair do lugar comum, com responsabilidade e determinação.

DIÁRIO DO AÇO– Como a sua gestão pretende resolver a cobrança do IPTU 2018 que foi reajustado? A população criticou o reajuste aplicado nesse ano pelo governo municipal.

NARDYELLO ROCHA – A cobrança do IPTU e da Taxa de Coleta de Lixo estão suspensas no município. Em breve vamos chamar todos os envolvidos à mesa para reavaliarmos estas questões, discutir os fatos geradores e, se for o caso, avaliarmos como poderemos coibir qualquer tipo de injustiça em relação aos valores que estão hoje propostos.

DIÁRIO DO AÇO – Como resolver a cobrança da Taxa de Limpeza Urbana reajustada e que igualmente gerou insatisfação o percentual de reajuste aplicado?

NARDYELLO ROCHA – Situação já explicitada na resposta à pergunta anterior.

DIÁRIO DO AÇO– Como serão resolvidas as dívidas com a concessionária do serviço de limpeza urbana acumuladas desde 2009? Como pretende encaminhar uma negociação?

NARDYELLO ROCHA – Essa questão hoje está a cargo da justiça. Ainda no governo Robson Gomes (2009/2012), a concessionária ingressou com uma ação judicial contra a Prefeitura de Ipatinga questionando o pagamento de uma dívida. No momento o processo está na fase de perícias. Portanto, qualquer manifestação sobre este assunto, agora, seria precipitada. Por prudência, precisamos aguardar o desenrolar da ação judicial.

DIÁRIO DO AÇO – Caso eleito, o senhor vai reabrir o restaurante popular, cujo prédio foi reformado e se encontra fechado e alvo de vandalismo?

NARDYELLO ROCHA – A reabertura do restaurante popular não é um desejo, um anseio, apenas da comunidade, é meu também. Mas uma coisa precisa ficar muito clara, porque, como já disse, eu sou muito transparente nas minhas ações. O restaurante popular é um Programa do Governo Federal, que destinou a verba para sua construção e tem a responsabilidade de contribuir com um valor mensal para o seu custeio. O município, por sua vez, entra com uma contrapartida e a população, que utiliza o serviço, contribui com uma pequena parcela. Estou falando isso para ficar bem claro o nosso desejo de reabrir o restaurante popular, mas também que esta reabertura só será possível com o comprometimento do Governo Federal em financiar a sua cota parte. Isso pactuado, aí sim, nós teremos condições de promover a tão desejada reabertura do restaurante popular de Ipatinga, ofertando para a população uma alimentação de ótima qualidade a um preço bem bacana. Mas enquanto não conseguirmos viabilizar a reabertura, vamos cuidar para que o prédio não seja alvo de vandalismo, utilizando nossa equipe de vigilância patrimonial e contando com a colaboração da Polícia Militar. Não medirei esforços para buscar esta parceria com o Governo Federal.

Outras Entrevistas

Daniel Cristiano
Lene Teixeira


Encontrou um erro? Comunique: [email protected]

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: