28 Congresso
Vale do Aço

Empresas do Vale do Aço fornecem para setor sucroenergético

Por: Diário do Aço 24/10/2017 19:32
Divulgação

Representantes do setor metalomecânico do Vale do Aço foram ao Triângulo Mineiro conhecer demanda de usinas

Com o objetivo de aumentar a competitividade das cadeias produtivas mais dinâmicas de Minas Gerais, o Programa de Competitividade Industrial Regional-PCIR promoveu a aproximação do Vale do Aço com o Triângulo Mineiro, com a intenção de gerar impactos positivos e ganhos para ambos.

Conforme analistas, a parceria entre o setor metalomecânico e o setor sucroenergético abriu, ao Vale do Aço, a possibilidade de fornecer para uma importante cadeia industrial ainda não atendida, e para as usinas sucroalcooleiras ampliação e alternativas de fornecedores no próprio estado.

A analista Daniela Azevedo, da Fiemg, acrescenta que a ação foi iniciada com uma missão de prospecção dos empresários do Vale do Aço na Expocigra 2016, feira criada a partir de uma necessidade crescente de mostrar o potencial das indústrias e da cadeia de serviços do Triângulo Mineiro promovendo encontro e negócios. Na ocasião, foi identificado que o Vale do Aço poderia suprir diversas demandas das usinas de açúcar e álcool, atualmente fornecidas por São Paulo.

“Promovemos uma visita técnica às usinas com a participação da equipe técnica do Sindimiva, Siamig, Senai e dos empresários. Na ocasião, as usinas apresentaram diversos gargalos e oportunidades de fornecimento, e um deles despertou maior interesse dos empresários: a “faca” utilizada pelas colheitadeiras para cortar a cana, relata a analista.

Daniela explica que as ferramentas utilizadas nas colheitadeiras possuem uma vida útil muito curta, necessitando de frequente substituição, o que ocasiona em inúmeras paradas de colheitas e custos elevados para as usinas. “Identificada a oportunidade, o PCIR atuou para que as empresas do Vale do Aço desenvolvessem e produzissem as facas com um material mais resistente, de modo a conferir mais agilidade à colheita”, detalhou.

Remessa
Foram coletadas amostras da peça e realizadas análises de resistência pelo Senai. Os resultados foram divulgados para as associadas ao APL do Vale do Aço e três empresas manifestaram interesse em desenvolver as peças, que foram entregues em Uberaba, no dia 18/10, pela Ramac, Qualitec e Metalnobre que, desde o início do ano, se debruçaram sobre o projeto e produziram conjuntos pilotos das peças com metais mais resistentes do que o usado atualmente nas colhedoras, em parceria com a Usina Santo Ângelo de Pirajuba, Triângulo Mineiro, que forneceu todas as informações técnicas do produto.

Estima-se que, apenas com o fornecimento desta peça, o volume de negócio gerado possa atingir R$ 8 milhões por safra. Esta estimativa leva em consideração apenas o mercado de Minas Gerais. A partir das melhorias propostas, o Vale do Aço tem agora a oportunidade de ofertar seus serviços às outras 377 usinas espalhadas no Brasil, o que aumentaria esta expectativa de negócio para R$ 91 milhões por safra.



Postado originalmente por: Diário do Aço

Veja também
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: