Números da covid no Vale do Aço sob controle

Wôlmer EzequielVida que segue: em Ipatinga e cidades da região a população mantém atividades, mas com uso de máscarasO novo coronavírus (covid-19) continua nas manchetes país afora, entretanto, no Vale do Aço, a curva de desenvolvimento caminha para uma redução. A melhora tem sido possibilitada, conforme profissionais da área da saúde, em razão das medidas adotadas nos municípios e também pela conscientização da população, que abraçou o uso da máscara e reforçou a higienização das mãos. O quadro permitiu que as atividades comerciais fossem retomadas, de forma flexibilizada, garantindo trabalho e geração de renda para milhares de pessoas. Em Ipatinga, a informação era de que, na sexta-feira (8), havia um paciente no Hospital Márcio Cunha (HMC), internado na UTI e com covid, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e um de paciente via convênio. Mas não havia confirmação se os dois eram da cidade de Ipatinga. No Hospital Municipal Eliane Martins não havia nenhum paciente na UTI por causa da doença.A média de casos confirmados na cidade era de um por dia, porém, dados apurados pelo Diário do Aço apontam que há quase quatro dias não há um caso novo. Todos os que apareceram depois do dia 1º de maio, ou depois da flexibilização do funcionamento do Shopping Vale do Aço e das academias, não tem relação com a reabertura. Foram casos que já estavam com sintomas nos dias 23 e 24 de abril.BoletimNo boletim epidemiológico especial número 14, lançado no dia 26 de abril pelo Ministério da Saúde, foi informado sobre possíveis interpretações do risco de cada município, para que um cálculo pudesse ser feito. Ele é dividido em cinco níveis de riscos: muito baixo para baixo, moderado, alto, muito alto e extremo. O risco muito baixo para baixo é até 160 casos para um milhão de habitantes; o moderado é de 161 a 250 casos confirmados para um milhão de habitantes. Na conta é feita regra de três: X está para 261 mil habitantes (no caso de Ipatinga) e 160 está para um milhão. Se 261 mil habitantes for multiplicado por 160 confirmações que deveria se ter, chega-se a uma média em risco de muito baixo para baixo, de estar com 42 casos confirmados para cada milhão de habitantes. Ipatinga está com 24, praticamente a metade. Em casos confirmados, o município não chega sequer ao risco de nível baixo.ContaminaçõesSe for considerado que Ipatinga tem um caso confirmado por dia, por exemplo, para se chegar ao risco alto, que é de 326 casos em média, teria de ter 85 casos positivos para cada 261 mil habitantes. Hoje, o número está quatro vezes abaixo da possibilidade de chegar ao risco alto. A curva no município está achatada. Prevê-se um pico no dia 6 de junho, data que já foi mudada em Minas Gerais por diversas vezes. São Paulo e Rio de Janeiro já ultrapassaram esse marco, assim como Pernambuco, ambos com diversos registros de covid. Por essa razão, os referidos locais já falam em lockdown (bloqueio ou fechamento total), por causa dos casos confirmados e utilização de leitos. A informação é de que Ipatinga está numa situação confortável em relação a outros municípios, que estão vivendo calamidade. Ações de controle e conscientização mudaram panoramaOs decretos baixados pelo poder público municipal, assim como a conscientização da população em utilizar máscara e manter isolamento social, foram preponderantes para a redução dos números. O decreto do uso de máscara e todas essas ações que as gestões municipais têm tomado contribuíram para que fosse possível chegar ao achatamento. Conforme divulgado pelas administrações municipais da região, o trabalho é para que as pessoas não precisem de leito ao mesmo tempo e não sobrecarreguem o sistema.NúmerosConforme boletim epidemiológico fornecido por Ipatinga, Timóteo, Coronel Fabriciano e Santana do Paraíso, os casos de covid no Vale do Aço, no dia 8 de maio, eram: Ipatinga apresenta 1.603 casos suspeitos, 1.439 cumpriram isolamento, 164 em monitoramento, 24 casos confirmados, 20 curados, quatro em isolamento domiciliar, 1.019 casos negativos; Timóteo tem 83 em investigação, 63 descartados e sete confirmados; Coronel Fabriciano tem 536 casos notificados, 396 descartados, seis confirmados e seis curados; Santana do Paraíso tem 341 notificados, 273 cumpriram quarentena, 98 descartados, 5 confirmados, dois recuperados, um hospitalizado e 68 em investigação.Para que os números continuem caindo, a orientação das autoridades da área de saúde é que a população continue colaborando: use máscaras, lave bem as mãos e faça a higiene ao chegar em casa, evite expor pessoas do grupo de risco, mantenha distanciamento em locais fechados e respeite a doença. Dessa forma, as atividades poderão ser mantidas, dentro do estabelecido por meio dos decretos de cada cidade.

Postado originalmente por: Diário do Aço

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: