Câmara decide por unanimidade pela cassação de vereador preso por pedofilia em Carmo do Cajuru

A Câmara de Vereadores de Carmo do Cajuru realizou no início da noite da última quarta-feira (14), o julgamento do processo de cassação do mandato do vereador Carlos Anderson da Silva (PDT), de 46 anos, conhecido como Carlos Henrique da Rádio.

Leia também: Câmara de Carmo do Cajuru julga nesta semana processo de cassação de vereador preso por pedofilia

O vereador foi preso em março pela Polícia Civil por suspeita de pedofilia. Carlos foi apresentado no dia 08 de março, quando foi preso após 40 dias de investigação. A denúncia por pedofilia partiu de uma professora das vítimas. Carlos Henrique é natural de Bom Despacho e veio para Carmo do Cajuru há 13 anos. Ele é locutor de rádio e muito conhecido na cidade. Foi o vereador mais votado na última eleição municipal, com 674 votos.

Leia também: Presidente da Câmara de Carmo do Cajuru explica como será processo de cassação de vereador preso por pedofilia

Carlos Anderson encontra-se atualmente na Penitenciária Pio Canedo, em Pará de Minas, sendo transferido por questões de segurança pessoal. Após a apresentação, ele havia sido encaminhado ao Presídio Floramar, em Divinópolis. Após a exposição do caso na mídia o número de vítimas aumentou de cinco para quinze.

Leia também: Tem inicio o processo de cassação do vereador preso por pedofilia em Carmo do Cajuru

A reunião contou com a presença de todos os vereadores do município sendo definido por unanimidade a cassação do mandato de Carlos Anderson. Dos onze parlamentares, nove votaram pela cassação. Não votaram o presidente da Câmara, Adriano Nogueira (PSB) e o suplente de Carlos Anderson, o vereador Sebastião Faria Gomes (PDT). Em contato com a reportagem, o presidente da Câmara, vereador Adriano Nogueira da Fonseca (PSB) explicou que após a cassação, o próximo passo é empossar o vereador suplente, Sebastião Faria Gomes. Sobre a votação, Adriano disse que a interpretação do resultado da votação é individual. “A interpretação dessa votação cabe a cada um dos edis desta casa, averiguar a situação que é a quebra de decoro parlamentar. Cada um tomar o conhecimento do processo, do envolvimento nesta situação e cada um tirar sua conclusão para votar, decidir seu sim e seu não. Na verdade, o presidente não manifestou o voto”.

O processo de cassação de mandato do vereador Carlos Anderson iniciou com o pedido do cidadão Gustavo Abib, que recebido pela Mesa Diretora, foi encaminhado para a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, que junto ao jurídico da Câmara, fez todo o procedimento anexado de documentos, provenientes do Juiz de Direito, Delegado de Polícia Civil, Regimento Interno e Defesa do Vereador, de onde os parlamentares manifestaram os votos.

Ouça a entrevista do presidente da Câmara de Carmo do Cajuru, vereador Adriano Nogueira da Fonseca (PSB)


Postado originalmente por: Portal MPA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: