28 Congresso
Divinópolis e Região

Falso sequestro em Contagem faz mãe de suposta vítima seguir para Divinópolis cumprindo ordem de bandidos

Por: Portal MPA 05/10/2017 8:00

A mãe recebe uma ligação e escuta o choro do “filho”. Logo depois, vem a ameaça: “se você não cumprir nossas exigências, vamos matá-lo”. Apesar de já ser conhecido, o golpe do falso sequestro ainda faz vítimas. Na última terça-feira, uma professora de 40 anos perdeu quase R$ 30 mil e viveu cerca de 20 horas acreditando que o filho poderia ser morto.

O desespero começou de manhã. Antes de obedecer à ordem dos criminosos, a professora tentou falar com o filho e não conseguiu. Sozinha, foi até um shopping de Contagem, na região metropolitana da capital, e comprou quase R$ 5.000 em celulares e R$ 12 mil em joias, além de fazer um depósito de R$ 9.000. “O tempo todo ela achava que conversava com o filho, e ele pedia para que ela obedecesse aos bandidos”, conta a delegada Maria Alice Faria.

A vítima foi obrigada a descartar o próprio celular e a comprar um chip para se comunicar com a quadrilha. Ainda no centro de compras, deixou os celulares novos em uma lixeira indicada pelos estelionatários.

Em seguida, a mulher embarcou em um táxi para Divinópolis, na região Centro-Oeste. A tarefa era deixar as joias em outra lixeira. “Os bandidos a mandaram acenar”, revela a delegada. Depois, a professora pegou um ônibus até o centro, onde se hospedou em um hotel para aguardar novidades. A orientação era não contar nada para ninguém e não acreditar na polícia.

Desfecho

Quando o menor apareceu, a família comunicou o sumiço da professora à polícia, que, por meio do cartão de crédito, localizou o hotel onde ela estava. Assim que os agentes chegaram lá, a vítima disse que estava tudo bem, seguindo orientação do bando.

A delegada, então, pediu que os familiares fossem até Divinópolis. O alívio veio às 4h da madrugada, quando a mulher viu o filho. Os bandidos ainda não foram localizados, e a polícia investiga o caso. A polícia acredita que o crime foi premeditado e os criminosos se aproveitaram de um momento de fragilidade da vítima.

Desconfiança

Com medo de o filho ser morto pelos criminosos, a professora atendeu de imediato as ordens dadas por eles. Em uma loja de aparelhos celulares de um shopping no bairro Cidade Industrial, em Contagem, na região metropolitana de BH, a vítima comprou quatro celulares, que custaram quase R$ 5.000.

Segundo funcionários da loja, a vítima não demonstrou desespero em momento algum e não comentou a situação que passava.

O vendedor que a atendeu chegou a questionar o motivo da compra de quatro aparelhos de uma só vez, e ela disse que eles eram para o filho, que teria uma empresa. Nessa quarta-feira, parentes estiveram na loja para pedir a cópia da nota fiscal dos produtos.

Orientações

Segundo a delegada Maria Alice Faria, o golpe do telefonema do falso sequestro é recorrente. Ela orienta as pessoas a ficarem atentas e agirem da seguinte forma:

– Não se deve acreditar imediatamente no fato relatado no telefonema.

– Assim que recebe a ligação comunicando o suposto sequestro, a pessoa precisa verificar do que se trata e onde está o familiar sob risco.

– Caso não consiga contato com o familiar, deve acionar imediatamente a polícia. 

.

 

Fonte: Jornal O Tempo

.

 

 

Foto: Ilustrativa

 

Postado originalmente por: Portal MPA

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: