Anuncie
Divinópolis e Região

Promotoria volta atrás após questionamentos e afirma: apuração de irregularidades no Hospital São João de Deus continua.

Por: Portal MPA 13/09/2017 13:00

A afirmação foi dita pela assessoria do Ministério Público de Minas Gerais nesta segunda-feira 11. A assessoria ainda enfatizou que o promotor responsável pelo caso Gilmar Assis virá a Divinópolis para uma coletiva assim que as investigações forem finalizadas. Porém o órgão não precisou uma data para que os trabalhos sejam encerrados.

A resposta do Ministério Público foi dada após o jornalismo do Sistema MPA de Comunicação cobrar um posicionamento sobre várias perguntas enviadas para assessoria no dia 28 de agosto. Após a própria assessoria ter permitido o envio dos questionamentos.

Os questionamentos feitos pelo jornalismo do Sistema MPA cobram da promotoria esclarecimentos sobre a apuração de irregularidades no Hospital São João de Deus.

Veja abaixo as perguntas:

  • O que gerou a crise do hospital São João de Deus, desvio de recursos ou má gestão?

  • Na visita a Câmara Municipal de Divinópolis no dia 03/07 durante uma reunião com a equipe da Comissão de Saúde do Legislativo o senhor disse: “as investigações chegaram ao final e os culpados serão responsabilizados e punidos rigorosamente.” Então como a investigação já foi finalizada quais as principais irregularidades apuradas pelo Ministério Público?

  • Quando foi feita a intervenção administrativa do Hospital no dia 12 de setembro de 2013 a dívida divulgada pelo MP foi de aproximadamente 80 milhões de reais. Quase três anos depois em julho de 2016 o estado pediu o afastamento da empresa Dictum que gerenciava a unidade. Nesta época a dívida girava em torno de 120 milhões de reais. Então porque a dívida cresceu tanto? Houve falhas também da empresa Dictum?

  • Uma auditoria do SUS divulgada em julho de 2013 elencou algumas irregularidades: como um contrato irregular no setor de oftalmologia onde os parentes do diretor técnico do Hospital eram beneficiados. Estas irregularidades apontadas pelo SUS em 2013 geraram prejuízos para unidade?

  • Como o Hospital sempre recebeu apoio da população através de doação de recursos e isso seria uma forma de prestação de contas. E diante de tantos indícios de irregularidades apontadas pelo SUS quais os nomes dos culpados e quais as penalidades eles sofrerão?

Desde o mês de julho o jornalismo do Sistema MPA tem feito contato com a assessoria do Ministério Público em Belo Horizonte. O Promotor de Justiça Gilberto de Assis do Centro Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa da Saúde é hoje o responsável pelo acompanhamento das investigações. No dia 15 de agosto, a assessoria enviou um posicionamento alegando que o Ministério Público estaria à disposição da imprensa para falar sobre o assunto. Mas nesta semana a promotoria mudou o posicionamento.

Crise afastou setor privado

Desde o início da crise financeira o Hospital tem contado com apoio parlamentar e de entidades. Porém no ano passado a exclusão de duas instituições do Conselho Curador da Fundação Geraldo Corrêa pode ter sido um motivo para afastamento do setor privado. Na época a diretoria da AACO e do Sindicato dos Contabilistas contestaram os motivos do desligamento.

Foi apontado pelo Conselho Curador a falta de conhecimento de ambas as entidades na área da saúde. O fato segue ainda sem um esclarecimento. A falta de transparência pode ser o fator que tem feito à sociedade e o setor empresarial deixar de ser um parceiro do Hospital São João de Deus.

Postado originalmente por: Portal MPA

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: