Rascunhos da Vida: O Espantalho havaiano…

Toda casinha de roça onde reside uma família existe uma hortinha para subsistência. Geralmente há um galinheiro, um chiqueiro e até um curral.

Jeremias 10.1-7

Retirado do Site: https://pt.freeimages.com/photo/happy-scarecrow-1500662

Vô Eurivaldo costumava plantar no quintal de sua casa uma pequena horta. Nela havia couve, cebolinha, salsinha, mostarda, tomatinho nativo e almeirão. Uma vez ao ano ele plantava feijão, e noutra época alho. Ambos para a subsistência. Não sei quanto ele plantava, muito menos o quanto ele colhia, mas sei que as pencas de alho ficavam penduradas num varal de madeira na cozinha do fogão a lenha. Quanto ao feijão era colhido, batido no terreiro e guardado num tambor de plástico. Até onde eu sei essa colheita dava para um ano.

Para regar a horta ele fazia alguns regos na terra e em pontos estratégicos seguindo a caída da água cavava alguns poços que eram cheios de água proveniente dos canais. Nesses poços ele usava uma “cuia” de cabaça para regar a plantação. Eu aprendi com ele como fazer, então sempre que ele não estava eu era o responsável por regar a plantação.

No meio da plantação havia um espantalho, ele era vestido com calça velha, camisa, tinha a cabeça ou feita com cabaça ou de capim revestido com algum tecido (eu gostava de fazer uma cara de bravo com carvão nele). Certa vez a vó “Gorducha” arrumou uma camisa havaiana, e uma calça estampada para o espantalho, ele ficou tão engraçado que mais parecia o “Zé bonitinho” aquele personagem do programa “A praça é nossa”. Ficou tão engraçado que nem moral sobre os passarinhos fazia, pois sobre os seus ombros faziam seu local de pouso. No outro ano, tiveram que trocar a roupa do desmoralizado espantalho.

Jeremias estava dizendo que o costume das nações de levantar ídolos para adorar a falsos deuses era um costume sem finalidade, para isso ele diz: são como um espantalho num pepinal, ou seja, inerte, sem interferência, sem poder de atuação, sem nenhum tipo de força, ou intenção de cuidado, amparo e zelo com quem o adora. São apenas adornos que não tem finalidade. São apenas imagens que não tem nenhum poder para cuidar de você e de suas necessidades.

Da mesma maneira como o espantalho desmoralizado do vô Eurivaldo são os falsos deuses em quem muitos depositam sua fé. A bíblia nos chama a adorar e confiar naquele que pode agir sobre nossa vida. Depositar nossa fé naquele que ouve, e responde. Que vê nosso sofrimento e auxilia na solução do mesmo. Você crê no poder do Altíssimo? Ou tem depositado sua confiança naquele que não pode ouvi-lo, nem o respondes? Pense comigo, confie no Senhor, o Deus vivo, o Todo-Poderoso, o Rei dos reis, o Senhor dos senhores, pois Ele sim nunca deixará de agir, e muito menos será desmoralizado em sua atuação.

Um grande e forte abraço!
Nos eternos laços do amor de Cristo.

Rodrigo Fonseca Andrade
Um servo que não confia em espantalhos.

O post Rascunhos da Vida: O Espantalho havaiano… apareceu primeiro em Portal MPA.

Postado originalmente por: Portal MPA

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: