Como se mede a proficiência em uma língua estrangeira?

Ser fluente permite também o acesso às melhores escolas e universidades do mundo. E a maioria delas acaba por selecionar seus alunos através de testes de proficiência que medem suas habilidades fundamentais: Listening (escutar e compreender o que está sendo falado), Writing (escrever textos em inglês), Speaking (falar e pronunciar palavras) e Reading (Ler textos).
<iframe width=”560″ height=”315″ src=”https://www.youtube.com/embed/wUvzhVdTnxk” frameborder=”0″ allow=”accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture” allowfullscreen></iframe>
E o padrão mais comumente adotado na maior parte das instituições para avaliar o nível dessas habilidades tem como base o Quadro Comum Europeu de Referência para Língua (Common European Framework of Reference for Languages – CEFR). O CEFR mede as habilidades e classifica os falantes de acordo com os níveis de fluência que são: A, B e C e suas subcategorias que vamos detalhar abaixo:
Nível A (Iniciantes)

Nível A1: Neste primeiro nível o falante está no início do processo de aprendizagem, ainda não conseguindo realizar estudos acadêmicos ou profissionais. Mas será capaz de:
– Entender algumas palavras e expressões simples do dia a dia.
– Formular perguntas e ser capaz de respostas curtas à questões simples.
– Apresentar-se aos outros e dizer de onde é, realizando interações curtas com frases básicas.
– Falar muito lentamente sobre assuntos como família, vestes, alimentos, cores, ambientes de casa, clima, interesses, realizar check-in em um hotel e realizar compras básicas.

Nível A2: Neste estágio, o falante ainda não consegue desenvolver diálogos mais profundos com outras pessoas ou entende diálogos em programas de tv ou rádio. Mas será capaz de:
– Falar lentamente e compreender expressões mais completas sobre o cotidiano, trabalho e família.
– Começar a dominar princípios básicos do inglês, entendendo situações mais complexas referentes a viagens.
– Entender frases de alguma área específica, trocando informações curtas.
– Descrever ambientes e necessidades sobre eventos passados, acontecimentos importantes, acidentes e chamar um médico.
– Falar sobre filmes ou outro assunto que tenha domínio, descrever regras, roupas e ser capaz de saber frases simples para se comunicar em reuniões no trabalho ou em família.

Nível B (Intermediário)

Nível B1: Nesse estágio o falante pode ser considerado intermediário ou independente e será capaz de:
– Ler relatórios e emails sobre assuntos conhecidos, assim como interpretar textos maiores.
– Participar de discussões sobre um tema específico, compreendendo questões que envolvam seu cotidiano como trabalho, turismo, lazer, ambiente escolar e outros.
– Escrever textos, formular frases e expressões mais complexas e que tragam detalhes mais gerais.
– Falar sobre assuntos conhecidos ou de seu interesse e situações, podendo emitir breves opiniões. Também será capaz de articular frases sobre temas como namoro, relacionamentos e estilo de vida.
– Lidar com quase todas as situações referentes a viagens, incluindo, pedir comida, conversas formais e outros.

Nível B2: Neste estágio há uma maior independência e espontaneidade no falante. Com isso, consegue praticar a conversação em inglês e expressar suas opiniões. Inclusive há alguns trabalhos internacionais que aceitam falantes tenham o B2, já que estes podem compreender algo dentro de sua área. Em suma, o falante deste nível será capaz de:
– Entender assuntos e textos que exijam maior complexidade ou que sejam abstratos.
– Ter um maior nível de vocabulário do que nos níveis anteriores, e com isso adquirir maior autonomia na conversação. Com isso também poderá produzir textos com maiores detalhes e assuntos mais variados.
– Conseguir interagir em assuntos específicos como finanças, normas, educação, planos futurose política.

Nível C (Fluente)

Nível C1: Ao chegar nesse nível o falante já tem um nível de fluência muito grande, conseguindo fazer trabalhos acadêmicos e trabalhar em um país de língua inglesa. Ele consegue se expressar facilmente em inglês, podendo:
– Compreender textos longos e discursos com temas abstratos e complexos.
– Expressar ideias mais com espontaneidade e fluência, usando linguagem flexível sobre vários temas incluindo sustentabilidade, sociedade, notícias, riscos de vida, artes e outros.
– Produzir textos longos, claros e sobre assuntos profissionais ou acadêmicos.
– Entender estilos de comunicação e variáveis como o sarcasmo e o humor.

Nível C2: Quando chegar a esse nível o falante já entende ou compreende praticamente tudo em inglês, podendo:
– Entender tudo ou quase tudo que um nativo fale em um ritmo rápido.
– Ler textos complexos, abstratos e literários, e sabendo fazer resumos e relatos.
– Expressar-se com um vocabulário muito amplo sobre qualquer tipo de assunto, utilizando-se de frases ou expressões em todos os tipos de ambientes.

Como podemos observar, são vários passos que são seguidos até que o falante alcance um nível alto de fluência. Esse processo, dependendo de pessoa para pessoa, ou de linha pedagógica adotada, pode demorar um pouco, mas seu aprendizado sempre será bastante positivo, já que o conhecimento sempre abre portas.

O post Como se mede a proficiência em uma língua estrangeira? apareceu primeiro em .

Postado originalmente por: Portal Onda Sul – Carmo do Rio Claro

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: