Moradores de Ouro Preto protestam após morte de jovem em abordagem policial

Moradores de Ouro Preto, na Região Central de Minas Gerais, protestam nesta segunda-feira (18) contra a ação policial que resultou na morte de Igor Arcanjo Mendes, de 20 anos, na noite da última sexta-feira. O carro em que estava foi parado por uma viatura, e Igor foi baleado na cabeça por um PM. Ele foi enterrado neste domingo (17).

Os manifestantes fecharam ruas e queimaram galhos e entulho. Com cartazes, os participantes pediram justiça e afirmaram que um jovem trabalhador foi morto numa ação de policiais despreparados. Em alguns momentos, o grupo se assentou no chão, impedindo a passagem de carros. Às 12h, o ato permanecia fechando acessos para a cidade Mariana.

A Polícia Militar informou que acompanhava a manifestação para dar segurança e monitorar o trânsito. Segundo a corporação, o ato reunia cerca de 30 pessoas e começou por volta das 8h20 no bairro Padre Faria, que é vizinho ao que a vítima morava. O protesto se deslocou da Rua 15 de Agosto para a Desidério de Matos.

A PM informou que, conforme o boletim de ocorrência, o veículo descumpriu uma primeira ordem de parada e que o rapaz fez um movimento brusco durante a batida policial, na Rua Pacífico Homem de Melo. Ainda conforme a PM, o militar avaliou que ele pegaria uma arma e atentaria contra a equipe e, por isso, atirou.

O site G1 conversou com o motorista do carro, que nega ter desobedecido a uma ordem de parada. Segundo ele, ao ser abordado pela PM, desligou o carro, puxou o freio de mão e colocou a mão na cabeça, ainda dentro veículo. Neste momento, ouviu um forte barulho e Igor, que estava no banco de passageiro da frente, caiu com meio corpo do lado de fora do veículo.

Conforme o condutor, havia cinco pessoas no carro; a polícia fala em seis ocupantes.

O tenente coronel Winder Pinheiro, comandante do 52º Batalhão da PM, informou que o policial foi liberado e está à disposição da Justiça. Ele foi ouvido, afastado do trabalho nas ruas e transferido para função administrativa. O nome dele não foi divulgado pela corporação.

Sobre a crítica dos manifestantes de que houve despreparo, o comandante afirmou que é preciso aguardar a conclusão da investigação. O caso é apurado pela Corregedoria da Polícia Militar e pela Polícia Civil.

A prefeitura da cidade divulgou nota afirmando que a ação policial merece pronta investigação da Corregedoria da Polícia Militar, do Ministério Público e do Poder Judiciário. Informou também que acionaria a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais para acompanhar o caso.

“O ocorrido causou comoção em toda a comunidade ouro-pretana, uma vez, que Igor era um jovem de apenas 20 anos, conhecido como uma pessoa de boa índole, sem passagem pela polícia, trabalhador e vindo de uma família de bons princípios e valores”, diz a nota.

Fonte: g1.com / Notícias

Postado originalmente por: Portal Sete

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: