Projeto “Aninha e Mateus, corrente do bem” leva conforto a pacientes oncológicos

Um projeto que nasceu da morte, mas transforma vidas. Há três anos, a cabeleireira Estefânia de Carvalho viu sua irmã perder a vida em função do câncer de mama. Aninha, que foi diagnosticada com a doença em outubro de 2010 e por cinco anos lutou contra os avanços das células malignas, não resistiu e morreu também em outubro, do ano de 2015. O nome dela dá vida ao projeto “Aninha e Mateus, corrente do bem”. Mateus, que também nomeia a iniciativa, é um menino de 4 anos, que ficou conhecido pela idealizadora da iniciativa em sua fase terminal, vítima de câncer no nariz. Ele faleceu dia 19 de outubro, um dia antes da morte da irmã de Estefânia.

Durante os meses de outubro e novembro a Tribuna apresentou a série “Existe Esperança!”, relatando a trajetória de pacientes com câncer de mama e próstata, desde o diagnóstico à alta médica. As histórias emocionantes foram contadas aos domingos e cada reportagem mostrou a superação da doença. Nesta edição, já no início de dezembro, a Tribuna fecha este ciclo apresentando a história de pessoas que tiveram suas vidas transformadas pelo câncer, fazendo a dor da perda um ato de amor.

Há três anos, os tecidos e objetos deixados por Ana Cristina de Carvalho, a Aninha, passaram a ser a matéria-prima para um trabalho que leva aconchego a pacientes que enfrentam a luta contra o câncer. “Eu fui presenteada pela ideia de criar esse projeto que surgiu da perda da minha irmã. Ela já tinha o material, que considerava muito importante, e o meu cunhado – esposo de Ana-, não sabia o que fazer com aquelas coisas. Logo tive uma ideia de começar um curso em Juiz de Fora para confeccionar as bonecas”, contou Estefânia. Sozinha, ela se viu impossibilitada de fazer 40, 50 ou até mesmo 100 bonecas e, por isso, chamou algumas amigas para que pudessem ajudá-la.

Hoje são 45 voluntários envolvidos, de forma direta e indireta, na feitura do artesanato que é entregue a hospitais oncológicos de Juiz de Fora. A primeira entrega aconteceu na Fundação Ricardo Moysés Júnior, depois de um ano da perda de sua irmã e, logo depois, se estendeu para a Ascomcer. “No grupo, eu passei a ensinar o que já tinha aprendido para as outras participantes. Comecei a entrega numa sala de espera com crianças e fui solicitada para realizar esse trabalho com adultos. Depois de um tempo, comecei a visitar o Instituto Oncológico, onde ainda hoje permaneço levando as bonecas”, ressaltou.

Acreditar no bem

As oficinas, onde acontecem a feitura das bonecas, são realizadas duas vezes por semana na casa de Estefânia. “As bonecas só podem escutar histórias positivas e pensamentos positivos para que elas saiam recheadas de coisas boas e cheguem aos hospitais como instrumentos de carinho e amor. É proibido falar mal das pessoas, da vida das pessoas e até de política. Eu faço uma oração antes, tomamos um café coletivo. Nessa oração, digo que não podemos esperar ações de presidente, prefeito ou vereador. A gente tem que fazer diferença e acreditar em quem está lá. A gente precisa acreditar na energia para que o mundo mude. Nós só vamos mudar o mundo, se acreditarmos no bem.”

 

a”
data-cycle-paused=”true”
data-cycle-prev=”#gslideshow_prev”
data-cycle-next=”#gslideshow_next”
data-cycle-pager=”#gslideshow_pager”
data-cycle-pager-template=” 
data-cycle-speed=”750″
data-cycle-caption=”#gslideshow_captions”
data-cycle-caption-template=”{{cycleCaption}}”
>

aninha-e-mateus-2

aninha-e-mateus-1

aninha-e-mateus-3

aninha-e-mateus-5

aninha-e-mateus-7

aninha-e-mateus-9

<
>
(Foto: Divulgação)

Para manter a iniciativa, Estefânia vende algumas bonecas e, nas confraternizações de final de ano, pede tecidos, linhas, lãs e alguma quantia em dinheiro. “Tudo vira investimento. O trabalho é feito com duas máquinas e o restante é na mão, como o fechamento. Tem um homem, único no projeto, que é o responsável pelo desenho. Ele desenvolveu o molde de todas as bonecas, o que colabora para facilitar o serviço. Uma corta a perninha, outra corta o braço, outra o corpo. Na máquina, a boneca é costurada inteira para ficar pronta para o enchimento e tem uma turma que costura à mão. Tudo é feito na minha casa. É um trabalho de formiguinha e a participação de cada um é extremamente importante. Realmente é uma corrente do bem”, lembrou Ana, que ainda acrescentou que agora as bonecas trazem consigo um coração que fica dentro da roupa “levando ainda mais amor”.

A entrega do afeto

Vestida de boneca e acompanhada por dois palhaços, Estefânia vai cantando e espalhando aconchego pelos corredores dos hospitais. “É sempre muito bom levar a paz num espaço que tanto precisa. Nosso objetivo é levar alegria e afeto. Quando dá vontade de chorar, a gente olha para o lado e reza. Para cada entrega a gente tem uma fala diferente. Cada um tem uma necessidade diferente. Antes, vamos a escolas e pedimos que as crianças escrevessem mensagens de apoio para estas vítimas. E saem coisas lindas. Assim como o coração, os textos dos alunos vão dentro do corpinho das bonecas. É uma entrega linda. É muito emocionante levar carinho e amor e, quando alguém chora ou sorri muito, a gente percebe que conseguimos atingir aquela pessoa a quem a boneca foi entregue”, contou.

Depois da perda da irmã, Estefânia se veste de boneca para levar amor a pacientes oncológicos (Foto: Divulgação)

“Saio sempre agradecida e feliz. Sempre somos questionados como temos tempo para fazer isso. Teve uma senhora que tinha AVC e acabado de descobrir um câncer. Ela me olhou nos olhos e disse: ‘vocês me fizeram descobrir o sentido da vida, pois eu só ficava em casa assistindo televisão e reclamando. E hoje sei que preciso passar por essa doença para ter atitude e ajudar quem precisa.’ Isso também aconteceu comigo. Depois que passei pela doença da minha irmã, comecei a ver o mundo com outros olhos. A casa dela virou um hospital. Ela ficou bastante debilitada, usou andador, tomava morfina”, relatou.

Tal diagnóstico do câncer colocou Aninha mais próxima da morte, no momento em que planejava para dar a vida. “Ela me ligou e contou que tinha um caroço na mama. Ela era oito anos mais nova que eu. Era como uma filha e, por isso, sigo firme com o projeto. Não tento salvar a vida de ninguém, afinal, a doença é um dia após o outro. Só se vence uma batalha quem está forte. Em nossos encontros, temos empregadas domésticas, advogadas, pessoas de todas as classes sociais. Eu tento mostrar para elas que somos todos iguais. A doença iguala todas as pessoas, e a gente precisa perceber isso quando estamos bem. O projeto alimenta o amor que tem dentro de mim. Eu transformei minha dor, em amor.”

Aninha foi diagnosticada com câncer em outubro de 2010 e em novembro daquele mesmo ano ela retirou a mama. Logo após descobriu a metástase e faleceu em outubro 2015.

O post Projeto “Aninha e Mateus, corrente do bem” leva conforto a pacientes oncológicos apareceu primeiro em Tribuna de Minas.

Postado originalmente por: Tribuna de Minas – Juiz de Fora

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: